Translate

domingo, 17 de abril de 2011

Ouvir, crer e permanecer na Palavra – 1º

Versículos: Jo 08:31-37, Rm 06:16 e I Cr 05:23-26.
Pregador: Pr. Jayme de Amorim Campos
Local: Igreja Internacional da Graça de Deus
Data 15/04/2011
Referências Bibliográficas: A Bíblia Sagrada (versões Almeida Corrigida e Revisada Fiel e Nova Versão Internacional)


Disse Jesus aos judeus que haviam crido nele: "Se vocês permanecerem firmes na minha palavra, verdadeiramente serão meus discípulos” (Jo 08:31 – NVI).

A nossa caminhada na fé ocorreu da seguinte maneira: primeiro ouvimos a Palavra de Deus e depois cremos nas Promessas e Revelações que estão contidas no Evangelho. Entretanto, não nos basta apenas ouvir e crer, precisamos permanecer na Palavra, só assim poderemos ser discípulos de Jesus. E então, permanecendo firmes na Palavra conheceremos a verdade, e a verdade nos libertará (Jo 08:32), isso é, conheceremos e seremos libertos pelo próprio Senhor Jesus, afinal Ele mesmo nos disse: “Eu sou o caminho, e a verdade e a vida; ninguém vem ao Pai, senão por mim” (Jo 14:06).

Os judeus que o ouviam responderam-lhe: Somos descendência de Abraão, e nunca servimos a ninguém; como dizes tu: Sereis livres? Respondeu-lhes Jesus: Em verdade, em verdade vos digo que todo aquele que comete pecado é servo do pecado (Jo 08:33-34). O pecado é toda a desobediência à Palavra de Deus. Obviamente a prostituição, a desonestidade, o adultério, não honrar pai e mãe, etc, são pecados, mas também a Palavra nos manda orar por aqueles que nos perseguem, e nos maltratam e fazer o bem a quem nos odeia (Mt 05:44). Temos feito isso? Será que não estamos pecando nisso?

Então quer dizer que devemos ajudar e auxiliar em um momento difícil aqueles que falam mal de nós, que criam mentiras a nosso respeito, que querem nos agredir? A resposta é clara e simples: Sim! Mas é alguém que nos tem feito algo terrível, mesmo assim? Exatamente! Não podemos mudar a Palavra de Deus, se Ela mandar fazermos algo, temos que fazer sem murmurar, afinal precisamos ter em mente que a nossa luta não é contra a carne e o sangue, mas, sim, contra os principados, contra as potestades, contra os príncipes das trevas deste século, contra as hostes espirituais da maldade, nos lugares celestiais (Ef 06:12). Se alguém tem feito coisas erradas contra algum de nós, que Deus tenha misericórdia dessa pessoa e mostre o caminho da salvação para ela, mas que temos obrigação de ajudá-la, isso temos.

Não podemos andar em pecado, pois não sabemos que, quando nós nos oferecemos a alguém para lhe obedecer como escravos, tornamo-nos escravos daquele a quem obedecemos: escravos do pecado que leva à morte, ou da obediência que leva à justiça (Rm 06:16)? O escravo não tem lugar permanente na família, mas o filho pertence a ela para sempre (Jo 08:35 – NVI). Estamos sendo escravos do diabo ou filhos de Deus?

A nossa vida responde a essa pergunta, se estamos em uma situação complicada, tudo encalacrado, nossas orações não surgem efeito, nossa empresa está praticamente quebrada, família destruída, etc, isso é sinal que estamos servos do pecado, uma vez que se estivéssemos andando na luz, estaríamos em obediência e, consequentemente, em justiça e o efeito da justiça será paz, e a operação da justiça, repouso e segurança para sempre. E o povo de Deus habitará em morada de paz, e em moradas bem seguras, e em lugares quietos de descanso (Is 32:17-18). Estamos em paz? Se sim, Glórias e Deus e vigiemos para não deixar nada nos atrapalhar, se não, examinemos a nós mesmos (I Co 11:28), oremos ao Senhor para que nos mostre onde estamos pecando e peçamos que Ele nos liberte, pois, se o Filho nos libertar, verdadeiramente seremos livres (Jo 08:36).

Continuou Jesus dizendo: “Bem sei que sois descendência de Abraão; contudo, procurais matar-me, porque a minha palavra não entra em vós” (Jo 08:37). Não importa se somos filhos de Abraão (membros de alguma Igreja, pregadores, obreiros, evangelistas, levitas, etc), isso não nos dá o “direito de pecar” ou significa que nunca mais pecaremos, afinal somos especiais para Deus. Não! Se Jesus, a Palavra não estiver dentro de nós, teremos A matado e, por consequência, perdido todas as Revelações e Promessas contidas nEla. Temos que nos esforçar para viver aquilo que ouvimos na pregação, que sentimos de Deus na leitura Bíblica, em um louvor, em uma mensagem, etc, por mais complicado e difícil que, aparentemente, seja.

A metade da tribo de Manassés era numerosa e se estabeleceu na região que vai de Basã a Baal-Hermom, isto é, até Senir, o monte Hermom. Estes eram os chefes das famílias dessa tribo: Éfer, Isi, Eliel, Azriel, Jeremias, Hodavias e Jadiel. Eram soldados valentes, homens famosos, e chefes das famílias. Mas foram infiéis para com o Deus dos seus antepassados e se prostituíram, seguindo os deuses dos povos que Deus tinha destruído diante deles. Por isso o Deus de Israel incitou Pul, que é Tiglate-Pileser, rei da Assíria, a levar as tribos de Rúben, de Gade e a metade da tribo de Manassés para Hala, para Habor, para Hara e para o rio Gozã, onde estão até hoje (I Cr 05:23-26).

Mesmo sendo homens valentes, famosos e chefes de família, por não permanecerem junto a Deus, isto é, a Palavra não estava dentro deles, o Senhor não podia os proteger. Como resultado, o inimigo veio e os levou cativos. Hoje isso acontece da mesma forma, não importa se somos importantes em nosso meio de vida, se somos admirados por nossa inteligência, se somos homens (mulheres) muito usados por Deus, se nos desviarmos dos Seus caminhos estamos desprotegidos contra qualquer investida do mau, por menor e mais insignificante que ela seja, terá o poder de nos destruir.  

Lembremos sempre de permanecer firmes na Palavra do Senhor, a orientação dada a Josué serve para nós hoje: Somente seja forte e muito corajoso! Tenha o cuidado de obedecer a toda a lei que o meu servo Moisés lhe ordenou; não se desvie dela, nem para a direita nem para a esquerda, para que você seja bem sucedido por onde quer que andar (Js 01:07). Obrigado Senhor por essa Palavra de Fé. Amém Senhor Jesus!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário